Padre ameaça homem e diz para ele abandonar ou matar seus cachorros

O padre Emerson Simplício, responsável pela Paróquia Senhor Bom Jesus da Cana Verde é suspeito de ofender um egípcio a quem deu abrigo. Em áudios, ele disse ao homem, que está desempregado, que poderia ficar em um abrigo cedido por ele, mas sem seus cachorros.

 

Na conversa, o pároco chega a sugerir que o egípcio mate os animais ou vá “para o inferno” junto com os cãezinhos.

Leia também https://adoteumcachorro.com/index.php/2021/01/11/cachorro-aguarda-seu-dono-na-porta-do-hospital-mesmo-apos-ele-ja-ter-falecido/

Em uma das frases, o padre disse, em áudio:

Antes de você mudar, eu falei: ‘olha, vou te arrumar, mas não quero saber de cachorro lá dentro’. Então, você trata de sumir com esses cachorros daí. Mata, dá para alguém, entrega lá no cemitério. Porque do contrário, se você continuar com esses cachorros aí, vai você e o cachorro para rua, para o inferno

A TV Anhanguera entrou em contato com o padre, que disse, por telefone, que estava “nervoso”quando falou aquilo tudo, pois os cães entravam na igreja a todo momento e também fizeram suas ‘necessidades especiais’ por lá. Ele disse ainda que se arrependeu da forma como falou com o egípcio no áudio.

O egípcio Mohamed Nafad, de 35 anos,  disse à TV Anhanguera que veio do Egito para o Brasil, em 2013, para tentar uma vida melhor, mas que, infelizmente não conseguiu emprego.

Ele conta que antes de chegar em Goiás, passou pelos estados do Rio de Janeiro e Paraná. Sem lugar para morar, ele pediu ajuda ao padre, mas disse que ficou indignado com a postura dele.

O egípcio, que é dono de três cães e um gato, comentou:

Eu não acreditei nisso, pensei que talvez ele estivesse brincando. Eu fiquei muito indignado com isso. Que seja eu e eles nas ruas, mas eu não vou abandonar eles. Onde eu vou, meus animais vão comigo”.

Leia também https://adoteumcachorro.com/index.php/2021/01/04/mulher-vai-ao-abrigo-para-adotar-um-caozinho-que-ia-ser-sacrificado-e-sai-de-la-com-3/

Mesmo sem ter onde morar, Mohamed não se considera um morador de rua, mas, sim, alguém que mora de favor e depende da ajuda do próximo. Ele disse ainda que já trabalhou como vigilante, operador de máquinas agrícolas e vendedor, e está tentando conseguir um emprego.

Mohamed continua morando no cômodo cedido pelo padre, contou que pretende ir até a Polícia Civil e registrou o ocorrido.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *