Câmera ‘flagra’ cãozinho sendo abandonado na porta de abrigo onde foi adotado 2 dias antes

Um circuito interno de câmeras de segurança flagrou o momento em que um cãozinho foi abandonado na porta de um abrigo em Volta Redonda (RJ) apenas dois dias após ter sido adotado.

Segundo o portal G1, o animal foi deixado na sede da ‘Sociedade Protetora dos Animais (SPA)’ na sexta-feira passada (16), ainda pela manhã.

A ONG divulgou imagens que mostram a motorista estacionando o veículo à porta do abrigo, descendo do carro, abrindo a porta de trás e expulsando o cachorro.

Leia também: Cadelinha adora passar o dia ouvindo seu irmão mais novo no ventre da mamãe

Ao final, sem sequer olhar pra trás, a mulher entra novamente no veículo e vai embora. No momento do arranque, o cãozinho quase é atropelado por estar muito próximo das rodas.

De acordo com a Sociedade Protetora dos Animais, a mulher já foi identificada. Ela foi contatada e justificou que havia ‘desistido de ficar com o cachorro’, motivando seu abandono.

Leia também: Cachorrinho que serviu 10 anos como cão de resgate se aposenta e é homenageado por sua equipe

“Somos bem claros em nossas adoções. Deu algum problema? Não solte na rua, leve de volta para nós […] Em contato telefônico, a pessoa, que não reportaremos o nome, disse que, como ninguém a atendeu no celular, ela foi na porta da ONG e soltou a cachorra”, relatou a SPA em um post nas redes sociais.

Um cuidador do abrigo localizou o cachorro e o acolheu novamente. As imagens da Sociedade Protetora dos Animais de Volta Redonda foram encaminhadas para a Polícia Civil.

Foi aberto um boletim de ocorrência na delegacia para a devida apuração do caso. É importante salientar que é crime praticar maus-tratos contra animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos, como comporta a Lei 9.605/98, artigo 32.

“Caracteriza-se crime abandonar, ferir, mutilar, envenenar, manter em locais pequenos sem possibilidade de circulação e sem higiene, não abrigar do sol, chuva ou frio, não alimentar, não dar água, negar assistência veterinária se preciso, dentre outros”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *