Cãozinho fiel chora e acompanha velório da dona ao lado de seu caixão

Na última quarta-feira (28), um cãozinho foi visto acompanhando o velório de sua dona falecida vítima de um infarto na cidade de Camaçari (BA). Batizado de ‘Toy’, o cachorro pertencia à Luzinete Lopes Diniz desde que era um filhote.

Durante a cerimônia, o cão chamou a atenção dos presentes, pois chorava bastante e não saía do local.

De acordo com o ‘Diário do Nordeste’, o velório de Luzinete aconteceu na casa onde ela morava, no bairro do Mangueiral. O clima era de despedida e extremo luto, especialmente para o cachorrinho, que sequer deixava que os demais presentes se aproximassem do caixão.

Leia também: Cãozinho com olhar ‘assustado’ é acolhido por abrigo e agora aguarda adoção

“Ele ficava do lado, sempre chamando ela, arranhando o caixão. Queria entrar no caixão quando estávamos colocando o corpo dela “, contou Jailson Santos, dono da funerária Almeida Camaçari, que trabalhou no velório e é amigo da família de Luzinete.

Jailson acrescentou que Luzinete e Toy sempre tiveram uma amizade muito forte. Era o cachorro que acompanhava a idosa, que era Testemunha de Jeová, quando ela frequentava o Salão do Reino. “Ele levava ela para o salão e esperava ela sair. Ia no supermercado, era como se fosse um filho mesmo”, disse.

Assim, Toy era um membro pleno da família, querido e amado por todos.

Leia também: Mulher encontra cachorrinho esquelético e com sarna ‘pedindo’ ajuda na rua

“Ele estava com ela desde bebezinho. Ela tinha ele como filho, tratava como filho”, contou o amigo da família.

De acordo com Jailson, Luzinete teve um derrame cerebral há alguns meses, mas se recuperou. Com problemas cardíacos, ela morreu depois de ter um infarto.

O enterro da idosa ocorreu no Cemitério do distrito de Parafuso, na cidade de Camaçari.

“O dia hoje amanheceu triste com o falecimento de dona Luzinete, Testemunha de Jeová, como era conhecida, pessoa muito querida. E o que mais estou impressionado é com o desespero desse cachorro da família, parecendo que estava entendendo que a dona estava falecida, chorando como se fosse uma pessoa quando perde um ente querido, não queria deixar ninguém chegar próximo ao caixão”, registrou o amigo da família em um post no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *