Elefanta que a perdeu pata em mina terrestre ganha prótese sob medida e recupera liberdade

Prótese para elefante? Isso com certeza é novo! Graças à uma dessas próteses gigantes, Mosha recuperou a liberdade que lhe foi tirada por uma mina terrestre na fronteira da Tailândia com Mianmar.

Mosha então tinha apenas 7 meses de vida e foi levada imediatamente ao primeiro hospital do mundo para elefantes, a Fundação Amigos do Elefante Asiático, na Tailândia.

Leia também: Soldados param na rua para cumprimentar cachorros de rua e acabam adotando cada um deles

Ela tentava compensar a falta da pata direita erguendo o tronco e apoiando-se em estruturas improvisadas, algo que se tornaria cada vez mais difícil de fazer à medida que fosse crescendo.

Para encontrar uma solução, seria necessário levar alguns pontos importantes em consideração. A primeira é que elefantes asiáticos podem viver mais de 40 anos na selva. Mosha estava apenas no início de sua jovem vida.

Além disso, embora a eutanásia seja uma opção em vários lugares do mundo em casos como o de Mosha, na Tailândia, onde uma grande parcela da população segue o budismo, ela é pouco discutida ou praticada.

Sabendo disso, o cirurgião ortopédico Jungle Doctor e a equipe da Fundação resolveram projetar uma prótese para Mosha usar ao longo de sua vida. A primeira versão pesava 15 kg e era feita de plástico, serragem e metal.

De lá pra cá, Mosha recebeu nada menos do que dez próteses, com o design ajustado para atender suas necessidades conforme crescia. A prótese evoluiu para uma versão bem mais sofisticada, construída com termoplástico, aço e elastômero.

Leia também: Regina Casé faz despedida emocionante para seu cachorrinho falecido Raj

Veja o vídeo:

Viva livre e feliz, Mosha! 🐘