Família adota cachorrinha pit bull após verem ela chorando no canil

Uma família decidiu adotar uma cachorrinha pit bull que encontrou chorando em um canil de abrigo, nos EUA.

Para Sarah Sleime, uma voluntária da Greater Charlotte SPCA, o ‘choro’ era absolutamente genuíno.

Sleime estava de passagem pelos canis quando se deparou com a cena tocante. “[…] A cadela esta sentada de forma muito humana”, disse Sleime. “Então, me inclinei e comecei a falar com ela.”

Sleime pôde ver que a pit bull de 7 anos teve recentemente uma ninhada de filhotes, embora os filhotes não estivessem com ela agora. E quando a mulher falou com ela, os olhos da cachorra lacrimejaram com o que parecia ser lágrimas.

Embora não seja totalmente compreendido se os cães choram da mesma forma que as pessoas, Sleime percebeu que a pit bull estava claramente chateada. Ela também estava obesa.

“[Os trabalhadores do abrigo] acreditam que ela foi confinada e usada como cadela de procriação”, disse Sleime. “Ela obviamente teve muitas, muitas ninhadas.”

Log, Sleime sabia que tinha que fazer algo para ajudar a pit bull, à época chamada ‘Canela’. Então ela pegou o telefone e gravou um vídeo:

“Publiquei o vídeo dela no Facebook e, mal sabia, seria visto 700.000 vezes no primeiro dia”, disse Sleime.

Mensagens de pessoas de todo o mundo inundaram a caixa de entrada da voluntária – inúmeras pessoas queriam adotar Canela ou ajudar a encontrar seus filhotes. Mas foi a amiga de Sleime, Meghan Shelton, que eventualmente a adotaria.

“Tenho um lugar especial em meu coração para os pit bulls”, disse Shelton. “Eu acho que eles são muito incompreendidos, uma raça incompreendida. E quando eu a vi naquele vídeo, literalmente chorando em uma gaiola, eu chorei. Meus filhos choraram. Mostrei ao meu marido e ele disse que podíamos ir vê-la no dia seguinte”.

Na manhã seguinte, várias famílias fizeram fila no abrigo para encontrar Canela, mas Shelton e os membros de sua família foram os primeiros da fila. E quando eles a conheceram, eles se apaixonaram.

“Ela foi super doce conosco”, disse Shelton. “Eles a trouxeram para uma sala para se encontrar conosco, e nós apenas a deixamos relaxar. Meus filhos estavam no chão com ela, e ela sentou-se no colo deles e os derrubou com lambeijos. ”

Shelton e sua família sabiam que ela era única, então preencheram a papelada para adotar Canela, a quem renomearam ‘Rosie’. Depois disso, Rosie foi esterilizada e foi para sua nova casa adotiva no dia seguinte.

Leia também: Cadelinha diagnosticada com câncer comemora última sessão de quimioterapia em clínica

A família Shelton já tinha outro pit bull – um peludo de 3 anos chamado Blu – e eles não tinham certeza de como Rosie e Blu reagiriam um ao outro.

“Não tinha intenção de apresentá-los nos primeiros dias”, disse Shelton. “Eu só queria que ela se acostumasse com a casa e saísse para passear. Então, nós realmente a trouxemos para o nosso quarto com sua caixa cheia de cobertores. ”

“Percebi que nosso cão macho estava do outro lado da porta e estava fazendo a mesma coisa”, disse Shelton. “Então eu pedi às crianças que a colocassem na coleira, e eu coloquei Blu na coleira e nós apenas os pedimos para sair e se encontrar. Foi interessante porque você nunca sabe como vai ser, mas eles meio que se sentaram lado a lado com o rabo abanando. ”

Agora Rosie e Blu estão agindo como se se conhecessem há anos, de acordo com Shelton. “Estou trabalhando na minha mesa agora e ela está dormindo aos meus pés, e … [Blu] está em seu lugar bem do outro lado da minha mesa”, disse ela.

A personalidade de Rosie também está emergindo lentamente. “Quando ela fica animada, ela bufa como um porco”, disse Shelton. “É tão fofo. Minhas garotas a acompanharam até o ponto de ônibus esta manhã, e quando novas crianças chegaram, ela bufou para elas até que viessem acariciá-la. ”

Leia também: Cachorro resolve dar uma lição em motorista que jogou lixo na rua

A família Shelton está com Rosie há apenas alguns dias, mas eles já não conseguem imaginar a vida sem ela.

“Foi amor à primeira vista”, disse Shelton. “Ela meio que puxou nossas cordas do coração.”

“Eu descobri que muitas pessoas entregaram seus animais de estimação no domingo (o dia em que o Canela foi adotado) antes do feriado que a CMACC teve de sacrificar mais de 30 animais naquele dia”, disse Sleime. “Algumas pessoas se renderam porque estavam saindo da cidade e não queriam pagar para hospedar seus animais. [Estou] muito feliz que a tenhamos tirado a tempo. ”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *